Crânio de 700.000 anos Descoberto na Grécia desafia a teoria da evolução fora da África


Um Crânio de 700.000 anos Descoberto na Grécia desafia a teoria da evolução fora da África

A História não contada ao mundo

#Nota : O crânio que remonta a 700.000 anos é um dos objetos mais enigmáticos já descobertos na Europa. Essa descoberta se opõe diretamente à teoria "fora da África", uma doutrina firmemente aceita até hoje

Os dogmas tradicionais não conseguem acompanhar a grande quantidade de descobertas que foram feitas nos últimos anos, desafiando diretamente as crenças científicas bem estabelecidas da evolução.

Enquanto muitas descobertas foram mantidas longe da sociedade, a grande quantidade de novas descobertas sendo feitas nos últimos anos tem pesquisadores coçando suas cabeças e parece que, afinal de contas, a história, como nos ensinaram, é ERRADA.

Conhecida como a Caveira Patralona, ​​é uma descoberta que deixa a comunidade científica perplexa.

A história sobre o crânio e onde foi encontrado remonta a 1959, quando uma caverna estreita foi encontrada por um menino. A caverna, rica em estalactites e estalagmites. Os aldeões esperavam encontrar água, mas a exploração da caverna revelou um misterioso crânio humano embutido na parede rochosa da caverna. Escavações posteriores revelaram vários fósseis e ferramentas.

O crânio misterioso foi removido da caverna de Petralona e enviado para a Universidade de Thessaloniki, na Grécia, para futuras pesquisas. A comunidade arqueológica concordou que, quando a pesquisa fosse concluída, o crânio seria enviado ao museu local para que todos pudessem apreciar esse incalculável artefato histórico.

No entanto, o crânio nunca chegou ao museu como a análise revelou resultados chocantes. Segundo os pesquisadores, o crânio havia sido preso dentro da caverna por um período de 700.000 anos , tornando-se o crânio mais antigo já descoberto no continente europeu.

Segundo o Dr. Paulianos, o principal pesquisador que analisou o crânio, o 'Homem Patralona' evoluiu independentemente na Europa e não é descendente de nenhuma espécie conhecida que venha da África.

Isso significa que o crânio é a prova definitiva de que existe um caminho evolutivo diferente, "suprimido", que se opõe diretamente à teoria "fora da África", uma doutrina firmemente aceita pelos estudiosos da corrente dominante hoje em dia.

O crânio altamente controverso foi analisado em 1964 por pesquisadores alemães que tentaram arduamente desmascarar a descoberta, alegando que o crânio tinha, na verdade, 50 mil anos de idade e que pertencia a uma espécie que saiu da África. No entanto, uma análise mais aprofundada em 1971 por pesquisadores dos Estados Unidos provou mais uma vez que o crânio de Petralona tinha 700.000 anos de idade. A data foi estabelecida com o uso dos sedimentos e estratigrafia das cavernas.

Aproximadamente 15 pesquisadores de todo o mundo estudaram o crânio, e todos obtiveram resultados semelhantes que apóiam a descoberta do Dr. Paulino.

Pesquisadores do crânio continuaram até 1983, quando uma ditadura governou a Grécia e suprimiu mais estudos que privavam o acesso do público à caverna, aos artefatos e ao controvertido crânio.

Pesquisadores estrangeiros foram privados de acesso e não puderam pesquisar mais. A Sociedade Antropológica da Grécia foi à corte superior e obteve acesso à caverna e ao crânio.

Pesquisas mais recentes mostraram que o crânio pertencia ao Homo Erectus, mas tem características isoladas de neandertais e fortes traços europeus. No entanto, os pesquisadores acreditam que a Caveira pertencia ao Homo Sapiens ou ao Homo sapiens, contradizendo a teoria da África. O Dr. Paulianos afirma firmemente que o crânio de Petralona é derivado de uma espécie independente de hominídeos que não são relacionados ao Homo Erectus.

A pesquisa feita pelo Dr. Paulianos é firmemente rejeitada por vários pesquisadores e seus círculos acadêmicos. Os resultados controversos de sua pesquisa trouxeram numerosos problemas. O Dr. Paulianos foi privado do acesso à caverna e parou antes que pudesse concluir sua pesquisa.

A história desde então tem sido objeto de um grande encobrimento.

No entanto, mais descobertas foram feitas na caverna. A Associação Antropológica da Grécia anunciou a descoberta de dois esqueletos pré-humanos de 800.000 anos, várias espécies diferentes e evidências do uso mais antigo de fogo no planeta. Além de tudo isso, os pesquisadores também descobriram os restos de uma menina que acredita-se ter 11 milhões de anos.

A maioria dos itens acima é considerada pseudociência por pesquisadores "sérios" que concluem que a faixa de datas proposta pelo Dr. Paulianos e outros pesquisadores é impossível e que eles ignoraram a metodologia científica.

O Journal Nature and Science se recusou a publicar as submissões da Associação Antropológica.

Muitos pesquisadores acreditam firmemente que a razão pela qual esta descoberta tem sido criticada e ignorada pelos estudiosos do mainstream (idéia aceito pela maioria) é porque ela muda radicalmente a história de nossa espécie. Essas descobertas são apenas uma pequena parte de muitas outras descobertas que indicam claramente que a história está errada e precisa ser totalmente revisada e reescrita.

O debate sobre a idade do crânio continua até hoje, e os pesquisadores do mainstream rejeitam firmemente a idéia de que o crânio pertence a uma espécie independente e que tem cerca de 700.000 anos de idade.

#FotoDireita : Crânio coberto com estalagmites

#InformaçõesAdicionais

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0047248474902024
Crânio de 700.000 anos Descoberto na Grécia desafia a teoria da evolução fora da África Crânio de 700.000 anos Descoberto na Grécia desafia a teoria da evolução fora da África Reviewed by SATELITENOVE@GMAIL.COM on 19:09 Rating: 5

Nenhum comentário